Entidades representativas emitiram notas após o assassinato do jornalista Lourenço Veras, conhecido com Léo Veras, na última quarta-feira, 12. O jornalista foi morto a tiros na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero. Veras era responsável por um site que noticiava a disputa do narcotráfico na fronteira entre Brasil e Paraguai.

Em nota, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) lamentou a morte do jornalista brasileiro e pediu agilidade das autoridades no esclarecimento do caso. “Todo assassinato de jornalista é uma tentativa de calar o mensageiro, comprometendo a liberdade de imprensa”, diz o texto.

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) disse que a violência atinge a categoria e toda a sociedade. No texto, a Fenaj destaca que “sem jornalismo não há democracia”.

O Sindicato de Jornalistas Profissionais do Mato Grosso do Sul afirmou que Veras já havia relatado ameaças de morte recebidas por seu trabalho de investigação e denúncia do tráfico. Para a entidade, o jornalista é “mais uma vítima dos ataques contra os trabalhadores da comunicação”.

Investigação

De acordo com a Polícia Nacional do Paraguai, Léo Veras foi atingido por cerca de 12 tiros de pistola 9 milímetros.

Ontem, o vice-ministro de Assuntos Políticos do Ministério do Interior do Paraguai, Jesus Lara Céspedes, se reuniu com membros do sindicato dos jornalistas do país, que expressaram preocupação com o assassinato. O vice-ministro informou que um grupo formado pelos melhores investigadores da Polícia Nacional foi enviado de Assunção para Pedro Juan Caballero para reforçar os trabalhos de apuração do crime.

“A situação em Pedro Juan Caballero é muito preocupante. O ambiente de violência em que trabalham os companheiros. Agora tivemos o compromisso do vice-ministro de tomar medidas, de levar profissionais de Assunção e esperamos uma resposta favorável na prática”, disse o secretário-geral do sindicato, Jimmy Peralta.

Veras trabalhava há mais de 15 anos na região da cidade de Pedro Juan Caballero, que faz fronteira com Ponta Porã (MS), e é considerada uma das principais portas de entrada de drogas e armas no Brasil. Em janeiro deste ano, 75 presos fugiram de um presídio localizado na cidade paraguaia. De acordo com autoridades policiais, a maioria dos presos tem ligação com o grupo Primeiro Comando da Capital (PCC).

Fonte: Atarde


Homem é morto a tiros no bairro Santa Lúcia em Eunápolis

Eunápolis: Um assassinato no fim da tarde desta segunda-feira (24) chocou a população do bairro Santa Lúcia, na cidade de Eunápolis. Conforme

Vereador capixaba e a família morrem em acidente na BR-101

O vereador Jucélio Nascimento Porto, o “Cabo Porto”, de 44 anos, que foi eleito pelo PSB, morreu na tarde de sábado, dia 22 de fevereiro,

Morador de Itaporanga morre afogado no Rio do Chato

Porto Seguro: Um jovem de 20 anos morreu afogado no Rio do Chato, localidade rural de Itaporanga, município de Porto Seguro, na tarde de domingo

Colisão entre táxi e carro deixa dois feridos graves na BR-367

    Eunápolis: Um táxi e outro carro bateram de frente, no início da manhã deste domingo (23), na BR-367 - a seis quilômetros do

Um morto e outro ferido no circuito do Carnaval de Belmonte

Belmonte: Um jovem foi morto no circuito do Carnaval de Belmonte, por volta das 5h da madrugada deste domingo (23). Atingido por um tiro no peito,

Dupla é presa por porte ilegal de arma de fogo na BR-101

Dois homens, 32 e 25 anos, foram presos na noite desta sexta-feira, 21, por suspeita de porte ilegal de arma de fogo. A ação da Polícia

Em 48 horas, Ceará registra 51 assassinatos

Estado sofre com paralisação de policiais militares A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) do Ceará informou que, desde o

Suspeitos de integrar organização criminosa morrem em confronto

Quatro homens, suspeitos de integrar uma organização criminosa, morreram em confronto com a polícia na noite de quinta-feira, 20, no bairro de

Polícia encontra cova ao procurar garçom desaparecido

Eunápolis: A polícia continua investigando o caso do garçom de 26 anos que desapareceu em Eunápolis, há mais de dois meses. Na tarde

Menina de 7 anos morre após ser baleada em Camaçari

Uma menina de apenas 7 anos morreu após ser baleada na cabeça, na noite desta quarta-feira, 19, na cidade de Camaçari, na Região Metropolitana

Nossos Apoiadores: